Quando é com a gente faz sentido. 

É muito raro parar pra falar de quem já partiu. Parar no fim do dia pra ponderar o quanto dá rotina nos faz lembrar deles. Geralmente é muito difícil lidar com a morte

Quando tinha dez anos de idade tive a infelicidade de perder um Tio bastante próximo e ver meu pai enlouquecer. “Por que é que ele conversa com a foto?” Eu me perguntava. “Ele acha mesmo que isso é capaz de os conectar?”. Complicado entender o que é que pode nos confortar num momento desses. 

Mais ou menos uma década depois de ter presenciado meu pai em um monólogo com o porta retrato, me vi na mesma situação. Me vejo! Já tem mais de um ano que perdi um irmão e me pego falando sozinha, respondendo no subconsciente como ele responderia. Ou pelo menos, como eu acho que seria. 

Abraço fotos, converso sozinha e chego a dar risada de piadas internas imaginárias. Não enlouqueci. Nem meu pai havia, na época. É uma forma de manter a presença. Os corpos morrem, hora ou outra. Suas presenças? Não. São rastros que deixam nessa dimensão pra que nós sejamos capazes de lidar com a dor. 

Me imaginei perdendo algumas pessoas, inclusive meu irmão mais velho, por escolhas erradas. Meus pais, por hábitos nada saudáveis. Imaginei todos eles me perdendo. Mas a vida é uma caixinha de surpresas e nos prova dia após dia uma única coisa: nós não sabemos de nada. Nunca estamos preparados pra perder alguém. Eu não estava. 

Só que o mundo ensina. E a vida não permite preparos. Eu sigo com o meu saudosismo que o mantém vivo na rotina, com todas as lembranças que nos enche o peito. Meu pai? Faz o mesmo. Hoje sou capaz de o entender, porque quando acontece com a gente, faz sentido. 


TT

Anúncios

Um dia de cada vez

Semana que vem vai fazer um mês desde a última vez em que te vi. Feliz e disposta sem qualquer noção de que aquela despedida comum no terminal rodoviário seria, de fato, uma despedida. Não sei ao certo em que momento nos perdemos e ainda não consigo dizer às pessoas, quando perguntam, que “não estamos mais juntos” então só respondo de forma mecânica e espero que o assunto passe rápido. E passa. O desconforto é notável..

Passa uma vez, duas, dez.. Até que chega a fase em que a resposta já não é automática, saindo natural e saudosa. É tempo das pequenas vitórias. Como o que? Ora, só há dois dias fui capaz de abrir o netflix pra buscar algo e assistir. Ontem? Consegui abrir a porta, ao voltar pra casa sozinha, sem chorar. Hoje consegui fazer aquela lasanha pro almoço – a clássica, molho/massa/molho/queijo/molho, sabe? E assim a vida vai seguindo. Vai chegar a hora em que as pequenas vitórias vão passar despercebidas por serem comuns, e as grandes vitórias não iremos compartilhar. Triste? Talvez. Perdas tem sua porcentagem de melancolia e eu já sofri algumas.

Hoje eu acordei melhor, amanhã eu realmente já não sei. A ideia? Ir um dia de cada vez. Você permanece nas músicas que eu ouço, no meu inglês errado e em tudo que eu vejo. Quero chegar ao ponto de olhar a tudo isso e só sorrir, com gratidão por ter vivido a experiência. Vou chegar lá, eu sei que vou. E como já diz um som do Projota que me faz lembrar você desde a terceira vez que te vi, “faz parte sentir saudade”. 

Não estamos mais juntos, mas você segue em mim.

 

TT 

Arpoador é pra quem persiste

Vai além

É capaz de ver?

Mais que o sol

Corre feito chuva

A razão pra continuar está onde

ousamos depositar amor

O abstrato que tem mais formas que feijão quando brota no pé

Bote amor seja na flor

No pássaro

Ou cachorro

Um irmão, qualquer parente

Amor romântico

Fraterno

Ingênuo

Algo ou alguém

E enquanto for capaz de projetar

Injetar

Respirar amor

Ainda terás motivos pra continuar

Inspire, quem sabe até suspire..

E siga

Só atente quanto aos olhos

Quando o sol se põe, a vista é linda.

TT

Sobre quem pensa demais

É fato que a consciência de pensar antes de agir é uma virtude! Mas pensar antes de pensar, pensar antes de pensar em agir, e pensar em pensar no que pensar DEPOIS de agir, é um hábito insuportável.

Hábito insuportável e incontrolável – ou quase

É algo como se seu subconsciente tivesse uma forma física e uma voz real, que questiona e põe em dúvida tudo, eu disse TUDO, o que você se propõe a fazer. A toda hora em e todas as ocasiões. Tudo bem.. em quase todas {algumas atitudes são realmente automáticas}.

Não é nada que não dê pra aprender a conviver, passaria quase como se fosse seu melhor amigo se os questionamentos que ele levanta (tratando-o como um ser mesmo, fazer o que), não fossem colocando em dúvida sua capacidade e/ou eficiência. E pior ainda é que por algum motivo você sempre opta pela resposta negativa. Isso é errado! Muito errado.

Funciona como uma bola de neve e que, se em um dado momento da sua vida não perceber isso e aprender a reverter pra algo positivo, pode arruinar diversas situações e oportunidades. Ninguém é um expert em tudo cem por cento das vezes, sabemos disso, mas acreditar um pouco em si é necessário. Se libertar das correntes imaginárias ao falar e agir com autenticidade podem mostrar um mundo novo aos seus olhos. Por razões desconhecidas até a cor das coisas, assim como os cheiros e sensações, mudam depois disso.

Aprenda a ser gentil com o seu psicológico

Assim como toda mudança de hábito, requer tempo e vontade! Todas as vezes em que ele levantar questionamentos como “será que eu consigo fazer isso?”, ou até mesmo a resposta já vier a mente pronta “eu não consigo fazer isso!”, respira e conta até cinco {é, geralmente não temos muito tempo. Afinal a vida não para pra gente viver nossos conflitos, ou seja, a cena continua} e produz uma resposta positiva que te incentive a ir em frente. Sempre em frente! E nos fracassos eventuais, seja gentil com você e pense que ao menos DESSA VEZ você foi capaz de ir além da sua zona de conforto e tentou algo novo. Transforme num relatório mental e ressalte os pontos que poderiam ter sido diferentes pra que resultasse em triunfo. E tente de novo.

post2

É uma luta até que percamos {eu, por exemplo, ainda não perdi} o costume de se depreciar e duvidar da própria capacidade enquanto as coisas acontecem, literalmente, e existe a posição de decisão. Depois fica aquela sensação péssima do “e se?”, sabem? É terrível. Com isso vem à tona a parte do pensar em pensar no que pensar depois de agir, ou depois de NÃO agir. A autodepreciação é uma doença.  E sinceramente?

No final das contas? Não vale o desgaste

Por que vocês acham que os espontâneos tem mais cabelo? Pois é. Agir com naturalidade e se deixar levar pela intuição {A POSITIVA, OPTEM PELA POSITIVA!} pode nos fazer ganhar muito em termos de experiências, oportunidades e felicidade. Na essência! E a felicidade de poder ser feliz com você, é indescritível. Se permitam, já que no final.. se cair, do chão não passa.

TT

Mais um dos devaneios

Amor
ensandecer no ardor
desespero

Se amor é esquecer rancor
e começar do zero

Então é sentir desejo
sem medo
e se entregar irracionalmente

Outorgar as rédeas de si a outro peito

Coincidentes
ocos de apreços

Ambos tiveram antes imersos em lástimas
graças à grandeza esplendorosa
do que chamam de vida

Se vem em consequência da dor
vejo em ti
sem dúvida
todo meu amor.

TT